Beisebol - Baseball

Da Wikipédia, A Enciclopédia Livre

Pin
Send
Share
Send

Beisebol
Heyward lines into double play (28356212176).jpg
Jason Heyward do Chicago Cubs acerta uma bola lançada para ele durante um jogo contra o rangers do Texas em 2016.
Altíssima corpo governanteConfederação Mundial de Softball de Beisebol
Jogado pela primeira vezInglaterra do século 18 (predecessores)
Estados Unidos do século 19 (versão moderna)
Características
ContatoLimitado
Membros do time9
Gênero mistoSim, competições separadas
TipoTime esportivo, taco e bola
EquipamentoBeisebol
Taco de beisebol
Luva de baseball
Capacete de rebatidas
Apanhadorequipamento de
LocalParque de beisebol
Campo de beisebol
GlossárioGlossário de beisebol
Presença
País ou regiãoEm todo o mundo (mais proeminente nas Américas, Caribe e Leste Asiático)
olímpicoEsporte de demonstração: 1912, 1936, 1952, 1956, 1964, 1984 e 1988
Esporte de medalha: 19922008, 2020
Jogos Mundiais1981[1]

Beisebol é um jogo de taco e bola jogado entre duas equipes opostas que se revezam rebatidas e fielding. O jogo continua quando um jogador no equipe de campo, Chamou o jarro, lança uma bola que um jogador no time de rebatidas tenta acertar com um bastão. O objetivo da equipe ofensiva (time de rebatidas) é acertar a bola no campo de jogo, permitindo que seus jogadores corram as bases, fazendo-os avançar no sentido anti-horário em torno de quatro bases para marcar o que é chamado de "corre". O objetivo da equipe defensiva (equipe de campo) é evitar que os batedores se tornem corredores e evitar que os corredores avançar em torno das bases.[2] Uma corrida é marcada quando um corredor avança legalmente em torno das bases em ordem e toca a home plate (o local onde o jogador começou como batedor). A equipe que marcar mais corridas no final da partida é a vencedora.

O primeiro objetivo da equipe de rebatidas é fazer com que o jogador alcance a primeira base com segurança. Um jogador da equipe de rebatidas que chega à primeira base sem ser chamado "Fora"pode ​​tentar avançar para as bases subsequentes como um corredor, imediatamente ou durante as jogadas dos companheiros de equipe na rebatida. A equipe em campo tenta evitar corridas fazendo com que os batedores ou corredores" saiam ", o que os força a sair do campo de jogo. Ambos os arremessadores e os defensores têm métodos para tirar os jogadores da equipe de rebatidas. As equipes adversárias alternam entre rebatidas e rebatidas; a vez de rebatidas da equipe de rebatidas termina assim que a equipe em campo registrar três eliminados. Uma rebatida de turno para cada equipe constitui um entrada. Um jogo geralmente é composto de nove entradas, e a equipe com o maior número de corridas ao final do jogo vence. Se as pontuações estiverem empatadas no final de nove entradas, innings extras geralmente são reproduzidos. O beisebol não tem relógio de jogo, embora a maioria dos jogos termine na nona entrada.

O beisebol evoluiu de jogos mais antigos de bastão e bola, já disputados na Inglaterra em meados do século XVIII. Este jogo foi trazido por imigrantes para a América do Norte, onde a versão moderna desenvolvida. No final do século 19, o beisebol era amplamente conhecido como o Esporte nacional do Estados Unidos. O beisebol é popular em América do Norte e partes de Central e América do Sul, a Caribee Ásia leste, particularmente em Japão, Coreia do Sul e Taiwan.

Nos Estados Unidos e Canadá, profissionais Major League Baseball (MLB) equipes são divididas nas Liga Nacional (NL) e Liga americana (AL), cada uma com três divisões: Leste, Oeste e Central. O campeão da MLB é determinado por jogos decisivos que culminam no World Series. O nível superior de jogo é dividido de forma semelhante no Japão entre os Central e Ligas do Pacífico e em Cuba entre o Liga Oeste e Liga Leste. o World Baseball Classic, organizado pelo Confederação Mundial de Softball de Beisebol, é a maior competição internacional do esporte e atrai as principais seleções do mundo todo.

Regras e jogabilidade

Diagrama de um campo de beisebol Diamante pode referir-se à área quadrada definida pelas quatro bases ou a todo o campo de jogo. As dimensões fornecidas são para jogos profissionais e de estilo profissional. As crianças costumam brincar em campos menores.

Um jogo de beisebol é disputado entre duas equipes, cada uma composta por nove jogadores, que se revezam no ataque (rebatidas e baserunning) e defesa (arremesso e fielding). Um par de voltas, uma no bastão e uma no campo, de cada equipe constitui um entrada. Um jogo consiste em nove entradas (sete entradas no nível do ensino médio e em doubleheaders na faculdade e ligas menores, e seis entradas no nível da Liga Infantil).[3] Um time - normalmente o time visitante - bate no topo, ou primeiro tempo, de cada entrada. O outro time - normalmente o time da casa - rebate na parte inferior, ou segunda metade, de cada entrada. O objetivo do jogo é marcar mais pontos (corre) do que a outra equipe. Os jogadores da equipe no taco tentam marcar corridas tocando todas as quatro bases, em ordem, definidas nos cantos do quadrado Diamante do baseball. Um jogador bate em prato principal e deve tentar chegar com segurança a uma base antes de prosseguir, sentido anti-horário, da primeira base para a segunda base, terceira base e de volta para casa para marcar uma corrida. A equipe em campo tenta evitar que as corridas marcem, registrando outs, que remove os jogadores adversários da ação ofensiva, até que sua próxima jogada no bastão apareça novamente. Quando três outs são registrados, as equipes trocam de papéis para a próxima meia-entrada. Se o placar do jogo estiver empatado após nove entradas, innings extras são jogados para resolver o concurso. Muitos jogos amadores, particularmente os desorganizados, envolvem diferentes números de jogadores e entradas.[4]

O jogo é jogado em um campo cujos limites primários, as linhas de falta, se estendem a partir da placa base em ângulos de 45 graus. A área de 90 graus dentro das linhas de falta é chamada de território justo; a área de 270 graus fora deles é um território sujo. A parte do campo delimitada pelas bases e vários metros além delas é o campo interno; a área mais além do campo interno é o campo externo. No meio do campo interno está um monte de arremessador elevado, com uma placa retangular de borracha (a borracha) no centro. O limite externo do campo externo é normalmente demarcado por uma cerca elevada, que pode ser de qualquer material e altura. O território justo entre a home plate e o limite externo é o campo de jogo do beisebol, embora eventos significativos também possam ocorrer em território sujo.[5]

Existem três ferramentas básicas de beisebol: o bola, a bastão, e as luva ou luva:

  • A bola de beisebol tem aproximadamente o tamanho do punho de um adulto, com cerca de 23 centímetros de circunferência. Possui centro em borracha ou cortiça, enrolado em fio e forrado a couro bovino branco, com costuras vermelhas.[6]
  • O bastão é uma ferramenta de bater, tradicionalmente feita de uma única peça sólida de madeira. Outros materiais agora são comumente usados ​​para jogos não profissionais. É um bastão duro e redondo, com cerca de 2,5 polegadas (6,4 centímetros) de diâmetro na ponta da batida, afinando-se para um cabo mais estreito e culminando em um botão. Os morcegos usados ​​por adultos têm normalmente cerca de 86 centímetros de comprimento e não mais que 42 polegadas (106 centímetros).[7]
  • A luva ou luva é uma ferramenta de campo, feita de couro acolchoado com uma fita entre os dedos. Como uma ajuda para pegar e segurar a bola, ele assume várias formas para atender às necessidades específicas de diferentes posições de campo.[8]

Protetora capacetes também são equipamentos padrão para todos os batedores.[9]

No início de cada meia-entrada, os nove jogadores da equipe em campo se organizam ao redor do campo. Um deles, o jarro, fica no monte do arremessador. O arremessador começa a entrega do arremesso com um pé na borracha, empurrando-o para ganhar velocidade ao arremessar em direção ao home plate. Outro jogador da equipe em campo, o Apanhador, agacha-se do outro lado da placa base, de frente para o arremessador. O resto da equipe em campo enfrenta o home plate, normalmente organizado como quatro jogadores internos - que se posicionam ao longo ou a poucos metros das linhas imaginárias (caminhos de base) entre a primeira, segunda e terceira bases - e três jogadores externos. No arranjo padrão, existe um primeira base posicionou vários degraus à esquerda da primeira base, um segunda base à direita da segunda base, um shortstop à esquerda da segunda base, e um terceira base à direita da terceira base. As posições básicas de campo são fielder esquerdo, jogador de campoe fielder. Com exceção do receptor, todos os defensores devem estar em território justo quando o arremesso for entregue. Um neutro árbitro configura atrás do receptor.[10] Outros árbitros serão distribuídos pelo campo também.[11]

David Ortiz, o batedor, à espera de um lançamento, com o apanhador e o árbitro

O jogo começa com um membro da equipe de rebatidas, o batedor, de pé em qualquer um dos dois caixas de batedor ao lado da placa base, segurando um bastão.[12] O batedor espera que o arremessador lance um arremesso (a bola) em direção ao home plate e tenta bater na bola[13] com o morcego.[12] O receptor pega os arremessos que o batedor não acerta - como resultado de escolher não balançar ou não acertar - e os retorna para o arremessador. Um batedor que atinge a bola no campo de jogo deve soltar o taco e começar a correr em direção à primeira base, ponto em que o jogador é referido como um corredor (ou, até que a peça acabe, um batedor-corredor) Um rebatedor que atinge a primeira base sem ser apagar é dito ser seguro e está na base. Um batedor-runner pode escolher permanecer na primeira base ou tentar avançar para a segunda base ou mesmo além - o quanto o jogador acredita poder ser alcançado com segurança. Um jogador que atinge a base apesar do jogo adequado dos defensores registrou um acertar. Um jogador que atinge a primeira base com segurança com um acerto é creditado com um solteiro. Se um jogador chegar à segunda base com segurança como resultado direto de um acerto, é um em dobro; terceira base, um triplo. Se a bola for atingida no ar dentro das linhas de falta sobre todo o campo externo (e cerca do campo externo, se houver), ou circular com segurança todas as bases, é um para fora: o batedor e quaisquer corredores na base podem circular livremente pelas bases, cada um marcando uma corrida. Este é o resultado mais desejável para a massa. Um jogador que chega à base devido a um erro de campo não é creditado com um acerto - em vez disso, o fielder responsável é acusado de um erro.[12]

Qualquer corredor que já esteja na base pode tentar avançar sobre as bolas rebatidas que caem, ou tocar o solo, em território justo, antes ou depois da bola cair. Um corredor na primeira base devo tente avançar se uma bola cair em jogo. Se uma bola jogada em jogo rolar falta antes de passar pelo campo interno, ela se torna morto e todos os corredores devem retornar à base que ocupavam quando o jogo começou. Se a bola for atingida no ar e pega antes de cair, o batedor tem voou e quaisquer corredores na base podem tentar avançar somente se eles marcar (entre em contato com a base que ocupavam quando o jogo começou, como ou depois que a bola é recebida). Os corredores também podem tentar avançar para a próxima base enquanto o arremessador está no processo de entregar a bola ao home plate; um esforço bem sucedido é um base roubada.[14]

Um arremesso que não é rebatido no campo de jogo é chamado de strike ou bola. Um rebatedor contra o qual três golpes são registrados golpeia. Um batedor contra o qual quatro bolas são registradas recebe um base em bolas ou caminhar, um avanço gratuito para a primeira base. (Um batedor também pode avançar livremente para a primeira base se o corpo ou uniforme do batedor for atingido por um arremesso fora da zona de rebatimento, desde que o batedor não balance e tente evitar ser atingido.)[15] Crucial para determinar bolas e rebatidas é o julgamento do árbitro se um arremesso passou pelo zona de ataque, uma área conceitual acima da placa base que se estende do ponto médio entre os ombros e o cinto do batedor até a depressão do joelho.[16]

UMA shortstop tenta marcar fora um corredor que está deslizando de cabeça primeiro, tentando alcançar a segunda base.

Enquanto a equipe no bastão tenta marcar corridas, a equipe em campo tenta registrar saídas. Além do strikeout, maneiras comuns de um membro da equipe de rebatidas ser eliminado incluem o voar para fora, moído, forçar para forae marcar fora. É possível registrar duas eliminações no decorrer da mesma jogada. Isso é chamado de jogo duplo. Três eliminados em uma jogada, um jogada Tripla, é possível, embora raro. Jogadores eliminados ou aposentados devem deixar o campo, voltando para a casa de sua equipe abrigo ou banco. Um corredor pode ficar preso na base quando uma terceira eliminação é registrada contra outro jogador da equipe. Os corredores encalhados não beneficiam a equipe em sua próxima jogada no bastão, já que cada meia-entrada começa com as bases vazias.[17]

A vez de um jogador individual rebatidas ou aparência da placa está completo quando o jogador atinge a base, faz um home run, faz uma saída ou acerta uma bola que resulta na terceira saída da equipe, mesmo que seja contra um companheiro. Em raras ocasiões, um batedor pode estar na base quando, sem que o batedor acerte a bola, uma terceira saída é registrada contra um companheiro de equipe - por exemplo, um corredor recebendo Pego roubando (marcado para tentar roubar uma base). Um rebatedor com este tipo de aparência de placa incompleta inicia o rebatimento da próxima vez da equipe; quaisquer bolas ou golpes registrados contra o batedor no turno anterior são apagados. Um corredor pode circular as bases apenas uma vez por aparecimento de placa e, portanto, pode marcar no máximo uma única corrida por volta de rebatidas. Uma vez que um jogador tenha completado uma aparência de placa, esse jogador não pode rebater novamente até que os outros oito membros da equipe do jogador tenham dado sua vez de rebatida no ordem de rebatidas. A ordem de rebatidas é definida antes do início do jogo e não pode ser alterada, exceto para substituições. Uma vez que um jogador foi removido por um substituto, esse jogador não pode voltar a entrar no jogo. Os jogos infantis geralmente têm regras mais brandas, como as regras da Little League, que permitem que os jogadores sejam recolocados no mesmo jogo.[18][3]

Se o rebatedor designado A regra (DH) está em vigor, cada equipe tem um décimo jogador cuja única responsabilidade é rebater (e correr). O DH toma o lugar de outro jogador - quase invariavelmente o arremessador - na ordem de rebatidas, mas não entra em campo. Assim, mesmo com a DH, cada equipe ainda tem uma ordem de rebatidas de nove jogadores e um arranjo de campo de nove jogadores.[19]

Pessoal

Jogadoras

Posições defensivas em um campo de beisebol, com abreviações e números de posição do apontador (números não uniformes)

O número de jogadores em uma escalação de beisebol, ou pelotão, varia por liga e pelo nível de jogo organizado. UMA Major League Baseball (MLB) equipe tem um elenco de 25 jogadores com funções específicas. Uma lista típica apresenta os seguintes jogadores:[20]

A maioria das ligas de beisebol em todo o mundo tem a regra DH, incluindo a Liga Americana da MLB, a Liga do Pacífico do Japão e as ligas profissionais caribenhas, junto com as principais organizações amadoras americanas.[21] A Liga Central no Japão e a Liga Nacional não têm a regra, e os clubes da liga secundária de alto nível conectados a times da Liga Nacional não são obrigados a apresentar um DH.[22] Em ligas que aplicam a regra de rebatedor designado, um time típico tem nove regulares ofensivos (incluindo o DH), cinco arremessadores iniciais,[23] sete ou oito aliviadores, um receptor reserva e dois ou três outros jogadores reservas.[24][25]

De outros

o Gerente, ou treinador principal, supervisiona as principais decisões estratégicas da equipe, como estabelecer a rotação inicial, definir a escalação ou ordem de rebatidas, antes de cada jogo e fazer substituições durante os jogos - em particular, trazer arremessadores substitutos. Os gerentes são normalmente auxiliados por dois ou mais treinadores; eles podem ter responsabilidades especializadas, como trabalhar com jogadores na rebatida, campo, arremesso ou força e condicionamento. Na maioria dos níveis de jogo organizado, dois técnicos estão posicionados em campo quando a equipe está rebatendo: o técnico da primeira base e o técnico da terceira base, que ocupam os camarotes designados dos técnicos, fora das linhas de falta. Esses técnicos auxiliam na direção dos corredores de base, quando a bola está em jogo, e transmitem sinais táticos do técnico para os batedores e corredores, durante as pausas do jogo.[26] Em contraste com muitos outros esportes coletivos, gerentes e treinadores de beisebol geralmente usam os uniformes de seus times; os treinadores devem estar uniformizados para poder entrar em campo para conferenciar com os jogadores durante um jogo.[27]

Qualquer jogo de beisebol envolve um ou mais árbitros, que decidem sobre o resultado de cada jogada. No mínimo, um árbitro ficará atrás do receptor, para ter uma boa visão da zona de rebatida, e anunciar as bolas e rebatidas. Árbitros adicionais podem ser posicionados perto de outras bases, tornando mais fácil julgar jogadas como tentativas de saída de força e etiquetagem. Na MLB, quatro árbitros são usados ​​para cada jogo, um perto de cada base. Nos playoffs, seis árbitros são usados: um em cada base e dois no campo externo ao longo das linhas de falta.[28]

Estratégia e táticas

Muitas das decisões estratégicas pré-jogo e no jogo no beisebol giram em torno de um fato fundamental: em geral, os batedores destros tendem a ter mais sucesso contra os arremessadores canhotos e, em um grau ainda maior, os batedores canhotos tendem a para ter mais sucesso contra arremessadores destros.[29] Um técnico com vários rebatedores canhotos na escalação regular, que sabe que a equipe enfrentará um arremessador canhoto inicial, pode responder iniciando um ou mais dos reservas dextros na escalação da equipe. Durante as últimas entradas de um jogo, conforme os arremessadores substitutos e os rebatedores substitutos são trazidos, os técnicos adversários costumam ir e voltar tentando criar confrontos favoráveis ​​com suas substituições. O gerente da equipe de campo tentando arranjar confrontos arremessador-batedor com a mesma mão e o gerente da equipe de rebatidas tentando arranjar confrontos com a mesma mão. Com uma equipe que tem a liderança nas entradas finais, um gerente pode remover um jogador da posição inicial - especialmente aquele cuja vez no bastão provavelmente surgirá novamente - para um defensor mais habilidoso (conhecido como substituição defensiva).[30]

Táticas de arremesso e campo

UMA primeira base recebe um pickoff lançar, enquanto o corredor mergulha de volta para a primeira base.

A decisão tática que precede quase todas as jogadas em um jogo de beisebol envolve a seleção do campo.[31] Ao agarrar e soltar a bola de uma certa maneira, e lançá-la a uma certa velocidade, os arremessadores podem fazer com que a bola se quebre para qualquer um dos lados ou para baixo, conforme se aproxima do batedor; criando assim diferentes tons que podem ser selecionados.[32] Entre a grande variedade resultante de arremessos que podem ser lançados, os quatro tipos básicos são os bola rápida, a mudar-se (ou arremesso fora da velocidade), e dois quebrar bolas-a bola curva e a controle deslizante.[33] Os arremessadores têm repertórios diferentes de arremessos e são habilidosos no lançamento. Convencionalmente, antes de cada arremesso, o apanhador sinaliza ao arremessador que tipo de arremesso lançar, bem como sua localização vertical e / ou horizontal geral.[34] Se houver desacordo na seleção, o arremessador pode sacudir o sinal e o receptor pedirá um arremesso diferente.

Com um corredor na base e tomando a liderança, o arremessador pode tentar um pickoff, um arremesso rápido para um fielder cobrindo a base para manter a liderança do corredor sob controle ou, de maneira ideal, efetuar uma identificação.[35] Tentativas de pickoff, entretanto, estão sujeitas a regras que restringem severamente os movimentos do arremessador antes e durante a tentativa de pickoff. A violação de qualquer uma dessas regras pode resultar na convocação de um árbitro empacotar contra o arremessador, o que permite a qualquer corredor na base avançar uma base impunemente.[36] Se uma tentativa base roubada é antecipado, o apanhador pode pedir um arremesso, uma bola atirada deliberadamente para fora do prato, permitindo ao receptor pegá-la de pé e lançar rapidamente para uma base.[37] Enfrentando um rebatedor com forte tendência de acertar para um lado do campo, a equipe de campo pode empregar um mudança, com a maioria ou todos os defensores movendo-se para a esquerda ou direita de suas posições usuais. Com um corredor na terceira base, os jogadores internos podem jogar em, aproximando-se do home plate para melhorar as chances de expulsar o corredor em um bola no solo, embora um grounder atingido com força seja mais provável de realizar um campo interno retraído.[38]

Táticas de rebatidas e corridas básicas

Várias táticas ofensivas básicas entram em jogo com um corredor na primeira base, incluindo a escolha fundamental de tentar roubar a segunda base. o bater e correr às vezes é empregado, com um habilidoso rebatedor de contato, o corredor decola com o arremesso, puxando o shortstop ou segunda base para a segunda base, criando uma lacuna no campo interno para o batedor enfiar a bola.[39] o sacrifício bunt, pede que o batedor se concentre em fazer contato suave com a bola, de modo que ela role uma curta distância para o campo interno, permitindo que o corredor avance para o posição de pontuação quando a massa é jogada fora no início. Um batedor, especialmente aquele que é um corredor rápido, também pode tentar bunda para um sucesso. Um bunt de sacrifício empregado com um corredor na terceira base, com o objetivo de trazer aquele corredor para casa, é conhecido como um aperte o jogo.[40] Com um corredor na terceira posição e menos de dois eliminados, o batedor pode se concentrar em acertar uma bola voadora que, mesmo se for pega, será profunda o suficiente para permitir ao corredor marcar e marcar - um batedor bem-sucedido, neste caso , recebe crédito por um sacrifício voar.[38] A fim de aumentar a chance de avançar um rebatedor para a primeira base por meio de uma caminhada, o gerente às vezes sinaliza para um rebatedor que está à frente na contagem (ou seja, tem mais bolas do que rebatidas) para levar, ou não, o próximo arremesso. A recompensa potencial do batedor de alcançar a base (por meio de uma caminhada) excede a desvantagem se o próximo arremesso for um strike.[41]

História

A evolução do beisebol a partir dos jogos mais antigos de bastão e bola é difícil de rastrear com precisão. O consenso afirmava que o beisebol de hoje é um desenvolvimento norte-americano do jogo antigo rounders, popular entre as crianças em Grã-Bretanha e Irlanda.[42][43][44] Beisebol antes de sabermos: uma busca pelas raízes do jogo (2005), do historiador americano do beisebol David Block, sugere que o jogo se originou na Inglaterra; evidências históricas recentemente descobertas apóiam essa posição. Block argumenta que os rounders e o beisebol inicial eram, na verdade, variantes regionais um do outro, e que os antecedentes mais diretos do jogo são os jogos ingleses de banquinho e "tut-ball".[42] A referência mais antiga conhecida ao beisebol está em uma publicação britânica de 1744, Um pequeno livro de bolso, de John Newbery.[45] Block descobriu que o primeiro jogo de "Bass-Ball" gravado ocorreu em 1749 em Surrey, e apresentou o príncipe de Gales como jogador.[46] Essa forma inicial do jogo foi aparentemente trazida para o Canadá por imigrantes ingleses.[47]

No início da década de 1830, havia relatos de uma variedade de jogos não codificados de bastão e bola reconhecíveis como as primeiras formas de beisebol sendo jogadas na América do Norte.[48] O primeiro jogo de beisebol oficialmente registrado neste continente foi disputado em Beachville, Ontário, Canadá, em 4 de junho de 1838.[49] Em 1845, Alexander Cartwright, um membro da cidade de Nova York Knickerbocker Club, liderou a codificação dos chamados Regras Knickerbocker,[50] que por sua vez foram baseados em regras desenvolvidas em 1837 por William R. Wheaton do Gotham Club.[51] Embora existam relatos de que o New York Knickerbockers jogou jogos em 1845, o concurso há muito reconhecido como o primeiro jogo de beisebol oficialmente registrado na história dos Estados Unidos ocorreu em 19 de junho de 1846, em Hoboken, Nova Jersey: o "New York Nine" derrotou o Knickerbockers, 23-1, em quatro entradas.[52] Com o código Knickerbocker como base, as regras do beisebol moderno continuaram a evoluir ao longo do meio século seguinte.[53]

Nos Estados Unidos

Criação de ligas profissionais

Em meados da década de 1850, uma mania de beisebol atingiu o Área metropolitana de Nova York,[54] e em 1856, os jornais locais referiam-se ao beisebol como o "passatempo nacional" ou "jogo nacional".[55] Um ano depois, o primeiro órgão regulador do esporte, o Associação Nacional de Jogadores de Base Ball, foi formado. Em 1867, barrou a participação de afro-americanos.[56] O mais formalmente estruturado Liga Nacional foi fundada em 1876.[57] Profissional Ligas negras formado, mas rapidamente dobrado.[58] Em 1887, softball, com o nome de beisebol indoor ou indoor-outdoor, foi inventado como uma versão de inverno do jogo pai.[59] O primeiro homólogo de sucesso da Liga Nacional, o Liga americana, que evoluiu do menor Liga Ocidental, foi fundada em 1893, e praticamente todas as modernas regras de beisebol estavam no lugar até então.[60][61]

O Acordo Nacional de 1903 formalizou as relações entre as duas ligas principais e entre elas e a Associação Nacional de Ligas Profissionais de Bola de Base, representando a maior parte do país ligas profissionais menores.[62] o World Series, colocando os dois campeões da liga principal um contra o outro, foi inaugurado naquele outono.[63] o Escândalo Black Sox do 1919 World Series levou à formação de uma nova Comissão Nacional de beisebol que aproximou as duas ligas principais.[64] O primeiro comissário da liga principal de beisebol, Kenesaw Mountain Landis, foi eleito em 1920. Naquele ano também viu a fundação da Negro National League; a primeira liga negra significativa, funcionaria até 1931. Durante parte da década de 1920, juntou-se a Liga Colorida Oriental.[65]

Ascensão de Ruth e integração racial

Comparado com o presente, o beisebol profissional no início do século 20 tinha menor pontuação e os arremessadores eram mais dominantes.[66] O assim chamado era bola morta terminou no início dos anos 1920 com várias mudanças nas regras e nas circunstâncias que eram vantajosas para os rebatedores. Novos regulamentos rígidos governavam o tamanho, forma e composição da bola, junto com uma nova regra que bania oficialmente o cuspe e outros arremessos que dependiam de a bola ser tratada ou desbastada com substâncias estranhas, resultavam em uma bola que viajava mais longe quando atingida.[67] A ascensão do jogador lendário Babe Ruth, o primeiro grande rebatedor da nova era, ajudou a alterar permanentemente a natureza do jogo.[68] No final da década de 1920 e início da década de 1930, St. Louis Cardinals Director Geral Branch Rickey investiu em vários clubes da liga menor e desenvolveu o primeiro moderno sistema de fazenda.[69] Um novo Negro National League foi organizado em 1933; quatro anos depois, ele foi acompanhado pelo Negro American League. o primeiras eleições ao Hall da Fama Nacional do Beisebol ocorreu em 1936. Em 1939, Little League Baseball foi fundada na Pensilvânia.[70]

Um grande número de times das ligas menores se separaram quando a Segunda Guerra Mundial levou à falta de jogadores. Chicago Cubs proprietário Philip K. Wrigley liderou a formação do All-American Girls Professional Baseball League para ajudar a manter o jogo aos olhos do público.[71] A primeira rachadura no acordo não escrito que proíbe os negros do baile profissional controlado por brancos ocorreu em 1945: Jackie Robinson foi assinado pela Liga Nacional Brooklyn Dodgers e começou a jogar pela liga secundária time em montreal.[72] Em 1947, Robinson quebrou a barreira da cor das ligas principais quando estreou com os Dodgers.[73] Jogadores latino-americanos, antes bastante esquecidos, também começaram a entrar nas grandes empresas em maior número. Em 1951, dois Chicago White Sox, nascidos na Venezuela Chico Carrasquel e negro de origem cubana Minnie Miñoso, tornou-se o primeiro hispânico Todas as estrelas.[74][75] Integração O processo foi lento: em 1953, apenas seis dos 16 times da liga principal tinham um jogador negro na lista.[74]

Registros de freqüência e a idade dos esteróides

Em 1975, o poder do sindicato - e os salários dos jogadores - começou a aumentar muito quando a cláusula de reserva foi efetivamente derrubado, levando ao sistema de agência gratuita.[76] Paradas de trabalho significativas ocorreram em 1981 e 1994, o último forçando o cancelamento da World Series pela primeira vez em 90 anos.[77] O público vinha crescendo de forma constante desde meados da década de 1970 e, em 1994, antes da paralisação, as majors estavam estabelecendo seu recorde de público por jogo.[78][79] Depois que o jogo foi retomado em 1995, sem vencer a divisão curinga as equipes se tornaram um elemento permanente da pós-temporada. Temporada regular jogo de interliga foi introduzido em 1997 e foi estabelecida a segunda maior marca de público em uma temporada completa.[80] Em 2000, as Ligas Nacional e Americana foram dissolvidas como entidades legais. Enquanto suas identidades foram mantidas para fins de agendamento (e a distinção do rebatedor designado), os regulamentos e outras funções - como disciplina do jogador e árbitro supervisão - eles administraram separadamente foram consolidados sob a rubrica de MLB.[81]

Em 2001, Barry Bonds estabeleceu o recorde atual de 73 home runs em uma única temporada. Há muito tempo havia suspeitas de que o aumento dramático na potência de rebatidas foi alimentado em grande parte por o abuso de esteróides ilegais (bem como pela diluição do talento do pitching devido à expansão), mas o problema só começou a atrair atenção significativa da mídia em 2002 e não havia penalidade para o uso de drogas para melhorar o desempenho antes de 2004.[82] Em 2007, Bonds se tornou o líder de home run de todos os tempos da MLB, superando Hank Aaron, já que a participação total na liga principal e na liga secundária atingiu o máximo de todos os tempos.[83][84]

Ao redor do mundo

Amplamente conhecido como o passatempo da América, o beisebol também está bem estabelecido em vários outros países. Já em 1877, uma liga profissional, a Associação Internacional, contou com equipes do Canadá e dos EUA.[85] Embora o beisebol seja amplamente praticado no Canadá e muitos times das ligas menores estejam sediados no país,[86][87] as principais ligas americanas não incluíram um clube canadense até 1969, quando o Montreal Expos juntou-se à Liga Nacional como uma equipe de expansão. Em 1977, a expansão Toronto Blue Jays juntou-se à Liga Americana.[88]

Sadaharu Oh gerenciando o Seleção japonesa no 2006 World Baseball Classic. Jogando para o Liga Centralde Gigantes Yomiuri (1959–80), Oh estabeleceu o recorde mundial profissional de home runs.

Em 1847, soldados americanos jogaram o que pode ter sido o primeiro jogo de beisebol no México em Parque Los Berros dentro Xalapa, Veracruz.[89] A primeira liga formal de beisebol fora dos Estados Unidos e Canadá foi fundada em 1878 em Cuba, que mantém uma rica tradição de beisebol. o República Dominicana realizou seu primeiro campeonato em toda a ilha em 1912.[90] Torneios e ligas profissionais de beisebol começaram a se formar em outros países entre as guerras mundiais, incluindo a Holanda (formada em 1922), Austrália (1934), Japão (1936), México (1937) e Porto Rico (1938).[91] o Ligas principais japonesas há muito tempo são considerados os circuitos profissionais de mais alta qualidade fora dos Estados Unidos.[92]

Pesäpallo, uma finlandês variação do beisebol, foi inventado por Lauri "Tahko" Pihkala na década de 1920,[93] e depois disso, mudou com o tempo e cresceu em popularidade. Imagem da partida de Pesäpallo em 1958 em Jyväskylä, Finlândia.

Após a Segunda Guerra Mundial, ligas profissionais foram fundadas em muitos países latino-americanos, principalmente Venezuela (1946) e a República Dominicana (1955).[94] Desde o início dos anos 1970, o anual Caribbean Series igualou os clubes campeões das quatro principais ligas de inverno da América Latina: o Liga Dominicana de Beisebol Profissional, Liga Mexicana do Pacífico, Liga de Beisebol Profissional de Porto Ricoe Liga Venezuelana de Beisebol Profissional. Na Ásia, Coréia do Sul (1982), Taiwan (1990) e China (2003) têm ligas profissionais.[95]

Muitos países europeus também têm ligas profissionais; o mais bem sucedido, além do Liga holandesa, é o Liga italiana, fundada em 1948.[96] Em 2004, a Austrália ganhou a surpresa medalha de prata no jogos Olímpicos.[97] A Confédération Européene de Baseball (Confederação Europeia de Beisebol), fundada em 1953, organiza uma série de competições entre clubes de diferentes países. Outras competições entre seleções nacionais, como o Copa do Mundo de Beisebol e a Torneio olímpico de beisebol, foram administrados pelo Federação Internacional de Beisebol (IBAF) desde sua formação em 1938 até sua fusão em 2013 com o Federação Internacional de Softball para criar o atual órgão regulador conjunto para ambos os esportes, o Confederação Mundial de Softball de Beisebol (WBSC).[98] Beisebol feminino é jogado como amador organizado em vários países.[99]

Depois de ser admitido nas Olimpíadas como esporte de medalha começando com o Jogos de 1992, o beisebol foi retirado do Jogos Olímpicos de Verão de 2012 em 2005 Comitê Olímpico Internacional encontro. Permaneceu parte do Jogos de 2008.[100] Embora a falta de seguidores do esporte em grande parte do mundo fosse um fator,[101] mais importante foi a relutância da MLB em permitir que seus jogadores participassem durante a temporada da liga principal.[102] MLB iniciou o World Baseball Classic, programado para preceder sua temporada, em parte como um torneio internacional de alto perfil substituto. o clássico inaugural, realizado em março de 2006, foi o primeiro torneio envolvendo seleções nacionais a apresentar um número significativo de participantes da MLB.[103][104] A Copa do Mundo de Beisebol foi interrompida após seu Edição 2011 em favor de um Clássico Mundial de Beisebol expandido.[105]

Elementos distintivos

O beisebol tem certos atributos que o diferenciam de outros esportes coletivos populares nos países onde tem seguidores. Todos esses esportes usam um relógio,[106] brincar é menos individual,[107] e a variação entre os campos de jogo não é tão substancial ou importante.[108] o comparação entre críquete e beisebol demonstra que muitos dos elementos distintivos do beisebol são compartilhados de várias maneiras com seus esportes primos.[109]

Sem relógio para matar

Uma bola de beisebol bem usada

Em esportes com tempo limitado, os jogos geralmente terminam com uma equipe que mantém a liderança matando o relógio ao invés de competir agressivamente contra o time adversário. Em contraste, o beisebol não tem relógio, portanto, uma equipe não pode vencer sem tirar o último batedor e os ralis não são limitados pelo tempo. Em quase qualquer turno em qualquer jogo de beisebol, a estratégia mais vantajosa é alguma forma de estratégia agressiva.[110] Considerando que, no caso de vários dias Teste e críquete de primeira classe, a possibilidade de um desenhar (que ocorre devido às restrições de tempo, como no beisebol, originalmente não existe[111]) freqüentemente encoraja uma equipe que está rebatendo por último e bem atrás, a rebater defensivamente e correr contra o tempo, desistindo de qualquer chance de vitória, para evitar uma derrota geral.[112]

Embora nove entradas tenham sido o padrão desde o início do beisebol profissional, a duração do jogo médio da liga principal tem aumentado continuamente ao longo dos anos. Na virada do século 20, os jogos normalmente demoravam uma hora e meia para serem jogados. Na década de 1920, eles duravam em média pouco menos de duas horas, o que eventualmente aumentou para 2:38 em 1960.[113] Em 1997, o jogo da Liga Americana durava em média 2:57 (os jogos da Liga Nacional eram cerca de 10 minutos mais curtos - os arremessadores na placa vencendo mais rápido que os rebatedores designados).[114] Em 2004, a Liga Principal de Beisebol declarou que seu objetivo era um jogo médio de 2:45.[113] Em 2014, porém, o jogo da MLB médio demorava mais de três horas para ser concluído.[115] The lengthening of games is attributed to longer breaks between half-innings for television commercials, increased offense, more pitching changes, and a slower pace of play with pitchers taking more time between each delivery, and batters stepping out of the box more frequently.[113][114] Other leagues have experienced similar issues. Em 2008, Nippon Professional Baseball took steps aimed at shortening games by 12 minutes from the preceding decade's average of 3:18.[116]

In 2016, the average nine-inning playoff game in Major League baseball was 3 hours and 35 minutes. This was up 10 minutes from 2015 and 21 minutes from 2014.[117]

Individual focus

Babe Ruth in 1920, the year he joined the Ianques de Nova Iorque

Although baseball is a team sport, individual players are often placed under scrutiny and pressure. In 1915, a baseball instructional manual pointed out that every single pitch, of which there are often more than two hundred in a game, involves an individual, one-on-one contest: "the pitcher and the batter in a battle of wits".[118] Pitcher, batter, and fielder all act essentially independent of each other. While coaching staffs can signal pitcher or batter to pursue certain tactics, the execution of the play itself is a series of solitary acts. If the batter hits a line drive, the outfielder is solely responsible for deciding to try to catch it or play it on the bounce and for succeeding or failing. o statistical precision of baseball is both facilitated by this isolation and reinforces it.

Cricket is more similar to baseball than many other team sports in this regard: while the individual focus in cricket is mitigated by the importance of the batting partnership and the practicalities of tandem running, it is enhanced by the fact that a batsman may occupy the postigo for an hour or much more.[119] There is no statistical equivalent in cricket for the fielding error and thus less emphasis on personal responsibility in this area of play.[120]

Uniqueness of each baseball park

Fenway Park, casa do Boston Red Sox. o Monstro Verde is visible beyond the playing field on the left.

Unlike those of most sports, baseball playing fields can vary significantly in size and shape. While the dimensions of the infield are specifically regulated, the only constraint on outfield size and shape for professional teams, following the rules of MLB and Liga Menor de Beisebol, is that fields built or remodeled since June 1, 1958, must have a minimum distance of 325 feet (99 m) from home plate to the fences in left and right field and 400 feet (122 m) to center.[121] Major league teams often skirt even this rule. Por exemplo, em Minute Maid Park, que se tornou a casa do Houston Astros em 2000, o Crawford Boxes in left field are only 315 feet (96 m) from home plate.[122] There are no rules at all that address the height of fences or other structures at the edge of the outfield. The most famously idiosyncratic outfield boundary is the left-field wall at Boston's Fenway Park, in use since 1912: the Monstro Verde is 310 feet (94 m) from home plate down the line and 37 feet (11 m) tall.[123]

Similarly, there are no regulations at all concerning the dimensions of foul territory. Thus a foul fly ball may be entirely out of play in a park with little space between the foul lines and the stands, but a foulout in a park with more expansive foul ground.[124] A fence in foul territory that is close to the outfield line will tend to direct balls that strike it back toward the fielders, while one that is farther away may actually prompt more collisions, as outfielders run full speed to field balls deep in the corner. These variations can make the difference between a double and a triple or home run dentro do parque.[125] The surface of the field is also unregulated. While the adjacent image shows a traditional field surfacing arrangement (and the one used by virtually all MLB teams with naturally surfaced fields), teams are free to decide what areas will be grassed or bare.[126] Some fields—including several in MLB—use an artificial surface, such as AstroTurf. Surface variations can have a significant effect on how ground balls behave and are fielded as well as on baserunning. Similarly, the presence of a roof (seven major league teams play in stadiums with permanent or retractable roofs) can greatly affect how fly balls are played.[127] While football and soccer players deal with similar variations of field surface and stadium covering, the size and shape of their fields are much more standardized. The area out-of-bounds on a football or soccer field does not affect play the way foul territory in baseball does, so variations in that regard are largely insignificant.[128]

These physical variations create a distinctive set of playing conditions at each ballpark. Other local factors, such as altitude and climate, can also significantly affect play. A given stadium may acquire a reputation as a pitcher's park or a hitter's park, if one or the other discipline notably benefits from its unique mix of elements. The most exceptional park in this regard is Coors Field, casa do Colorado Rockies. Its high altitude—5,282 feet (1,610 m) above sea level—is partly responsible for giving it the strongest hitter's park effect in the major leagues due to the low air pressure.[129] Wrigley Field, home of the Chicago Cubs, is known for its fickle disposition: a hitter's park when the strong winds off Lago Michigan are blowing out, it becomes more of a pitcher's park when they are blowing in.[130] The absence of a standardized field affects not only how particular games play out, but the nature of team rosters and players' statistical records. For example, hitting a fly ball 330 feet (100 m) into right field might result in an easy catch on the pista de alerta at one park, and a home run at another. A team that plays in a park with a relatively short right field, such as the Ianques de Nova Iorque, will tend to stock its roster with left-handed pull hitters, who can best exploit it. On the individual level, a player who spends most of his career with a team that plays in a hitter's park will gain an advantage in batting statistics over time—even more so if his talents are especially suited to the park.[131]

Estatisticas

Organized baseball lends itself to Estatisticas to a greater degree than many other sports. Each play is discrete and has a relatively small number of possible outcomes. In the late 19th century, a former cricket player, English-born Henry Chadwick do Brooklyn, was responsible for the "development of the Caixa de pontos, tabular standings, the annual baseball guide, the média de rebatidas, and most of the common statistics and tables used to describe baseball."[132] The statistical record is so central to the game's "historical essence" that Chadwick came to be known as Father Baseball.[132] In the 1920s, American newspapers began devoting more and more attention to baseball statistics, initiating what journalist and historian Alan Schwarz describes as a "tectonic shift in sports, as intrigue that once focused mostly on teams began to go to individual players and their statistics lines."[133]

The Official Baseball Rules administered by MLB require the artilheiro oficial to categorize each baseball play unambiguously. The rules provide detailed criteria to promote consistency. o score report is the official basis for both the box score of the game and the relevant statistical records.[134] General managers, managers, and baseball scouts use statistics to evaluate players and make strategic decisions.

Rickey Henderson—the major leagues' all-time leader in runs and stolen bases—stealing third base in a 1988 game

Certain traditional statistics are familiar to most baseball fans. The basic batting statistics include:[135]

  • Em morcegos: plate appearances, excluding walks and atingido por arremessos—where the batter's ability is not fully tested—and sacrifices and sacrifice flies—where the batter intentionally makes an out in order to advance one or more baserunners
  • Hits: times a base is reached safely, because of a batted, fair ball without a fielding error or escolha do fielder
  • Runs: times circling the bases and reaching home safely
  • Corre rebatidas (RBIs): number of runners who scored due to a batter's action (including the batter, in the case of a home run), except when batter grounded into double play or reached on an error
  • Home runs: hits on which the batter successfully touched all four bases, without the contribution of a fielding error
  • Média de rebatidas: hits divided by at bats—the traditional measure of batting ability

The basic baserunning statistics include:[136]

  • Stolen bases: times advancing to the next base entirely due to the runner's own efforts, generally while the pitcher is preparing to deliver or delivering the ball
  • Caught stealing: times tagged out while attempting to steal a base
Cy Young—the holder of many major league career marks, including wins and innings pitched, as well as losses—in 1908. MLB's annual awards for the best pitcher in each league are named for Young.

The basic pitching statistics include:[137]

  • Vitórias: credited to pitcher on winning team who last pitched before the team took a lead that it never relinquished (a starting pitcher must pitch at least five innings to qualify for a win)
  • Perdas: charged to pitcher on losing team who was pitching when the opposing team took a lead that it never relinquished
  • Economizar: games where the pitcher enters a game led by the pitcher's team, finishes the game without surrendering the lead, is not the winning pitcher, and either (a) the lead was three runs or less when the pitcher entered the game; (b) the potential tying run was on base, at bat, or no convés; or (c) the pitcher pitched three or more innings
  • Entradas lançadas: outs recorded while pitching divided by three (partial innings are conventionally recorded as, e.g., "5.2" or "7.1", the last digit actually representing thirds, not tenths, of an inning)
  • Strikeouts: times pitching three strikes to a batter
  • Porcentagem de vitórias: wins divided by decisions (wins plus losses)
  • Média de corrida ganha (ERA): runs allowed, excluding those resulting from fielding errors, per nine innings pitched

The basic fielding statistics include:[138]

  • Putouts: times the fielder catches a fly ball, tags or forces out a runner, or otherwise directly effects an out
  • Assistências: times a putout by another fielder was recorded following the fielder touching the ball
  • Erros: times the fielder fails to make a play that should have been made with common effort, and the batting team benefits as a result
  • Chances totais: putouts plus assists plus errors
  • Média de campo: successful chances (putouts plus assists) divided by total chances

Among the many other statistics that are kept are those collectively known as situational statistics. For example, statistics can indicate which specific pitchers a certain batter performs best against. If a given situation statistically favors a certain batter, the manager of the fielding team may be more likely to change pitchers or have the pitcher caminhar intencionalmente the batter in order to face one who is less likely to succeed.[139]

Sabermetrics

Sabermetrics refers to the field of baseball statistical study and the development of new statistics and analytical tools. The term is also used to refer directly to new statistics themselves. The term was coined around 1980 by one of the field's leading proponents, Bill James, e deriva do Society for American Baseball Research (SABR).[140]

The growing popularity of sabermetrics since the early 1980s has brought more attention to two batting statistics that sabermetricians argue are much better gauges of a batter's skill than batting average:[141]

  • Porcentagem na base measures a batter's ability to get on base. It is calculated by taking the sum of the batter's successes in getting on base (hits plus walks plus hit by pitches) and dividing that by the batter's total plate appearances (at bats plus walks plus hit by pitches plus sacrifice flies), except for sacrifice bunts.[142]
  • Porcentagem de slugging measures a batter's ability to hit for power. It is calculated by taking the batter's bases totais (one per each single, two per double, three per triple, and four per home run) and dividing that by the batter's at bats.[143]

Some of the new statistics devised by sabermetricians have gained wide use:

Popularity and cultural impact

Two players on the baseball team of Tokyo, Japan's Universidade Waseda em 1921

Writing in 1919, philosopher Morris Raphael Cohen described baseball as America's national religion.[146] In the words of sports columnist Jayson Stark, baseball has long been "a unique paragon of American culture"—a status he sees as devastated by the steroid abuse scandal.[147] Baseball has an important place in other national cultures as well: Scholar Peter Bjarkman describes "how deeply the sport is ingrained in the history and culture of a nation such as Cuba, [and] how thoroughly it was radically reshaped and nativized in Japan."[148] Since the early 1980s, the Dominican Republic, in particular the city of San Pedro de Macorís, has been the major leagues' primary source of foreign talent.[149] In 2017, 83 of the 868 players on MLB Opening Day rosters (and disabled lists) were from the country. Among other Caribbean countries and territories, a combined 97 MLB players were born in Venezuela, Cuba, and Puerto Rico.[150] Membro do hall da fama Roberto Clemente remains one of the greatest national heroes in Puerto Rico's history.[151] While baseball has long been the island's primary athletic pastime, its once well-attended professional winter league has declined in popularity since 1990, when young Puerto Rican players began to be included in the major leagues' annual first-year player draft.[152] In Asia, baseball is among the most popular sports in Japan and South Korea.[153]

The major league game in the United States was originally targeted toward a middle-class, white-collar audience: relative to other spectator pastimes, the National League's set ticket price of 50 cents in 1876 was high, while the location of playing fields outside the inner city and the workweek daytime scheduling of games were also obstacles to a blue-collar audience.[154] A century later, the situation was very different. With the rise in popularity of other team sports with much higher average ticket prices—football, basketball, and hockey—professional baseball had become among the most blue-collar-oriented of leading American spectator sports.[155]

o Tampere Tigers celebrating the 2017 title in Turku, Finlândia

Overall, baseball has a large following in the United States; a 2006 poll found that nearly half of Americans are fans.[156] In the late 1900s and early 2000s, baseball's position compared to football in the United States moved in contradictory directions. In 2008, MLB set a revenue record of $6.5 billion, matching the NFL's revenue for the first time in decades.[157] A new MLB revenue record of more than $10 billion was set in 2017.[158] On the other hand, the percentage of American sports fans polled who named baseball as their favorite sport was 9%, compared to pro football at 37%.[159] In 1985, the respective figures were pro football 24%, baseball 23%.[160] Because there are so many more major league games played, there is no comparison in overall attendance.[161] In 2008, total attendance at major league games was the second-highest in history: 78.6 million, 0.7% off the record set the previous year.[83] The following year, amid the U.S. recession, attendance fell by 6.6% to 73.4 million.[162] Eight years later, it dropped under 73 million.[163] Attendance at games held under the Minor League Baseball umbrella set a record in 2008, with 43.3 million.[164] While MLB games have not drawn the same national TV viewership as football games, MLB games are dominant in teams' local markets and regularly lead all programs in horário nobre in their markets during the summer.[165]

An Afghan girl playing baseball in August 2002

In Japan, where baseball is inarguably the leading spectator team sport, combined revenue for the twelve teams in Nippon Professional Baseball (NPB), the body that oversees both the Central and Pacific Leagues, was estimated at $1 billion in 2007. Total NPB attendance for the year was approximately 20 million. While in the preceding two decades, MLB attendance grew by 50 percent and revenue nearly tripled, the comparable NPB figures were stagnant. There are concerns that MLB's growing interest in acquiring star Japanese players will hurt the game in their home country.[166] In Cuba, where baseball is by every reckoning the national sport,[167] the national team overshadows the city and provincial teams that play in the top-level domestic leagues.[168] Revenue figures are not released for the country's amateur system. Similarly, according to one official pronouncement, the sport's governing authority "has never taken into account attendance ... because its greatest interest has always been the development of athletes".[169]

Em 2018, Little League Baseball oversees leagues with close to 2.4 million participants in over 80 countries.[170] The number of players has fallen since the 1990s, when 3 million children took part in Little League Baseball annually.[171] Babe Ruth League teams have over 1 million participants.[172] According to the president of the International Baseball Federation, between 300,000 and 500,000 women and girls play baseball around the world, including Little League and the introductory game of Tee Ball.[173]

A varsity baseball team is an established part of Educação Física departments at most high schools and colleges in the United States.[174] In 2015, nearly half a million high schoolers and over 34,000 collegians played on their schools' baseball teams.[175] By early in the 20th century, intercollegiate baseball was Japan's leading sport. Hoje, beisebol da escola in particular is immensely popular there.[176] The final rounds of the two annual tournaments—the Torneio nacional com convite de beisebol de segundo grau in the spring, and the even more important Campeonato Nacional de Beisebol de High School in the summer—are broadcast around the country. The tournaments are known, respectively, as Spring Koshien and Summer Koshien after the 55,000-capacity stadium where they are played.[177] In Cuba, baseball is a mandatory part of the state system of physical education, which begins at age six. Talented children as young as seven are sent to special district schools for more intensive training—the first step on a ladder whose acme is the national baseball team.[168]

Na cultura popular

o American Tobacco Company's line of baseball cards featured shortstop Honus Wagner do Pittsburgh Pirates from 1909 to 1911. In 2007, the card shown here sold for $2.8 million.[178]

Baseball has had a broad impact on popular culture, both in the United States and elsewhere. Dezenas de English-language idioms have been derived from baseball; in particular, the game is the source of a number of widely used eufemismos sexuais.[179] The first networked radio broadcasts in North America were of the 1922 World Series: famed sportswriter Arroz Grantland anunciado Jogo por jogo from New York City's Polo Grounds em WJZNewark, New Jersey, which was connected by wire to WGYSchenectady, Nova Yorke WBZSpringfield, Massachusetts.[180] o boné de baseball has become a ubiquitous fashion item not only in the United States and Japan, but also in countries where the sport itself is not particularly popular, such as the United Kingdom.[181]

Baseball has inspired many works of art and entertainment. One of the first major examples, Ernest Thayerpoema de "Casey at the Bat", appeared in 1888. A wry description of the failure of a star player in what would now be called a "clutch situation", the poem became the source of Vaudeville and other staged performances, audio recordings, film adaptations, and an opera, as well as a host of sequels and parodies in various media. Tem havido muitos baseball movies, incluindo o prêmio acadêmico-ganhando O Orgulho dos Yankees (1942) and the Oscar nominees O natural (1984) e Campo dos sonhos (1989). o American Film Institute's selection of the ten best sports movies includes O Orgulho dos Yankees at number 3 and Bull Durham (1988) at number 5.[182] Baseball has provided thematic material for hits on both stage—the AdlerRoss musical Malditos ianques—and record—George J. Gaskin's "Slide, Kelly, Slide", Simon e Garfunkelde "Sra. Robinson", e John Fogertyde "Campo central".[183] The baseball-inspired comedic sketch "Quem vai primeiro", popularizado por Abbott e Costello in 1938, quickly became famous. Seis décadas depois, Tempo named it the best comedy routine of the 20th century.[184]

Literary works connected to the game include the short fiction of Ring Lardner and novels such as Bernard malamudde O natural (the source for the movie), Robert Cooverde The Universal Baseball Association, Inc., J. Henry Waugh, Prop.e W. P. Kinsellade Shoeless Joe (the source for Campo dos sonhos) Baseball's literary canon also includes the beat reportage of Damon Runyon; the columns of Grantland Rice, Red Smith, Dick Younge Peter Gammons; e os ensaios de Roger Angell. Among the celebrated nonfiction books in the field are Lawrence S. Ritterde A Glória de Seus Tempos, Roger Kahnde Os meninos do verãoe Michael Lewisde Moneyball. The 1970 publication of major league pitcher Jim Bouton's tell-all chronicle Bola quatro is considered a turning point in the reporting of professional sports.[185]

Baseball has also inspired the creation of new cultural forms. Baseball cards were introduced in the late 19th century as cartas comerciais. A typical example featured an image of a baseball player on one side and advertising for a business on the other. In the early 1900s they were produced widely as promotional items by tobacco and confectionery companies. The 1930s saw the popularization of the modern style of baseball card, with a player photograph accompanied on the rear by statistics and biographical data. Baseball cards—many of which are now prized collectibles—are the source of the much broader cartão de troca industry, involving similar products for different sports and non-sports-related fields.[186]

Moderno esportes de fantasia began in 1980 with the invention of Rotisserie League Baseball by New York writer Daniel Okrent and several friends. Participants in a Rotisserie league draft notional teams from the list of active MLB players and play out an entire imaginary season with game outcomes based on the players' latest real-world statistics. Rotisserie-style play quickly became a phenomenon. Now known more generically as fantasy baseball, it has inspired similar games based on an array of different sports.[187] The field boomed with increasing Internet access and new fantasy sports-related websites. By 2008, 29.9 million people in the United States and Canada were playing fantasy sports, spending $800 million on the hobby.[188] The burgeoning popularity of fantasy baseball is also credited with the increasing attention paid to sabermetrics—first among fans, only later among baseball professionals.[189]

Veja também

Referências

  1. ^ Sargis, Joe (August 3, 1981). "The World Games slipped out of town Monday, quietly..." United Press International. Recuperado 13 de agosto, 2018.
  2. ^ "Official Rules of MLB, 2017" (PDF). 2017.
  3. ^ uma b League, Little. "Rules, Regulations, and Policies - Little League". Liga infantil. Recuperado 19 de março 2018.
  4. ^ Thurston (2000), p. 15; "Official Rules/Foreword". Liga Principal de Beisebol. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009. "Official Rules/1.00—Objectives of the Game (Rules 1.01–1.03)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009. "Official Rules/2.00—Definitions of Terms" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009. "Official Rules/4.00—Starting and Ending a Game (Rule 4.10)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009.
  5. ^ "Official Rules/1.00—Objectives of the Game (Rules 1.04–1.07)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009. "Official Rules/2.00—Definitions of Terms" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009.
  6. ^ Porterfield (2007), p. 23; "Official Rules/1.00—Objectives of the Game (Rule 1.09)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009.
  7. ^ "Official Rules/1.00—Objectives of the Game (Rule 1.10a)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009. Fitzgerald, Stephen; et al. (8 de novembro de 2005). "Polymer Composite Baseball Bat Endcap (U.S. Patent Application 20050176531)". FreePatentsOnline.com. Recuperado 2 de fevereiro, 2009.
  8. ^ "Official Rules/1.00—Objectives of the Game (Rules 1.12–1.15)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009.
  9. ^ Thurston (2000), pp. 21, 30, 31; "Official Rules/1.00—Objectives of the Game (Rule 1.16)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  10. ^ Porterfield (2007), pp. 16–18, 25, 34, 35; "Official Rules/9.00—The Umpire (Rule 9.03a)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  11. ^ "AP source: 7 umpires rotate at World Series". EUA hoje. Associated Press. 29 de setembro de 2014. Recuperado 27 de março 2018.
  12. ^ uma b c "Official Rules/5.00—Putting the Ball in Play. Live Ball" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009. "Official Rules/6.00—The Batter (Rule 6.09)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009. "Official Rules/10.00—The Official Scorer (Rules 10.06, 10.12)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  13. ^ Epstein, David (August 8, 2011). "It's All About Anticipation: Ryan Howard and Rafael Nadal don't have quicker reflexes than you do. They hit the fastest pitches and return the hardest serves because they can see the future". Esportes ilustrados. Recuperado 4 de setembro, 2011.
  14. ^ "Official Rules/2.00—Definitions of Terms" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009. "Official Rules/5.00—Putting the Ball in Play. Live Ball (Rule 5.09e)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009. "Official Rules/6.00—The Batter (Rule 6.05a)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009. "Official Rules/7.00—The Runner (Rules 7.08d, 7.10a)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009. "Official Rules/10.00—The Official Scorer (Rule 10.07)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  15. ^ "Official Rules/6.00—The Batter (Rule 6.08b)" (PDF). Major League Baseball. Recuperado 12 de abril 2012.
  16. ^ "Official Rules/2.00—Definitions of Terms" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009.
  17. ^ "Official Rules/6.00—The Batter (Rule 6.05)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009. "Official Rules/7.00—The Runner (Rules 7.08, 7.10)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  18. ^ Thurston (2000), p. 100; "Official Rules/3.00—Game Preliminaries (Rule 3.03)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009. "Official Rules/6.00—The Batter (Rules 6.01, 6.04)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  19. ^ Porterfield (2007), p. 19; Thurston (2000), p. 153; "Official Rules/6.00—The Batter (Rule 6.10)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  20. ^ Veja, por exemplo, "Nationals Finalize 25-Man Roster". Washington Nationals/Major League Baseball. 4 de abril de 2009. Arquivado em o original em 14 de julho de 2011. Recuperado 21 de abril 2009.
  21. ^ Alexander, Charles C. (1991). Our Game: An American Baseball History. Macmillan. p.290. ISBN 9780805015942.
  22. ^ Ringolsby, Tracy (January 20, 2016). "Tide is turning toward a universal DH". Major League Baseball. Recuperado 22 de abril 2018.
  23. ^ McLaughlin, Dan (July 12, 2011). "Designated Hitters and the Economics of Baseball". Grantland. Recuperado 6 de agosto, 2017.
  24. ^ Dunn, Jay (June 21, 2017). "Jay Dunn: It's Time For MLB Teams to Consider Grooming Two-Way Players". O trentoniano. Recuperado 6 de agosto, 2017.
  25. ^ Goldman, Steven (April 26, 2016). "It Is Time for Baseball to Fight Back Against Big Bullpen". VICE Media. Recuperado 6 de agosto, 2017.
  26. ^ Walfoort, Cleon, "Most 'Signs' Given by Coaches Are Merely Camouflage", Baseball Digest, December 1960 – January 1961, pp. 47–49.
  27. ^ "The Fans Speak Out" [Baseball Digest staff], Baseball Digest, August 1999, pp. 9–10; "Official Rules/3.00—Game Preliminaries (Rule 3.15)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 20 de maio de 2009. Recuperado 27 de abril 2009.
  28. ^ Zoss (2004), p. 293; "Official Rules/9.00—The Umpire" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 24 de fevereiro de 2009. Recuperado 18 de fevereiro, 2009.
  29. ^ Bast, Andrew (July 18, 2008). "Southpaw's Revenge". Newsweek. Recuperado 8 de fevereiro, 2009.
  30. ^ See, e.g., Davis, Hank, Small-town Heroes: Images of Minor League Baseball (Univ. of Iowa Press, 1997), p. 186.
  31. ^ Paine, Neil (August 13, 2015). "Game Theory Says R.A. Dickey Should Throw More Knuckleballs". FiveThirtyEight. Recuperado 22 de abril 2018.
  32. ^ "The Mechanics Of A Breaking Pitch". Mecânica Popular. 6 de dezembro de 2004. Recuperado 23 de abril 2018.
  33. ^ Walsh, John (December 20, 2007). "Fastball, Slider, Change-up, Curveball—An Analysis". The Hardball Times. Recuperado 21 de fevereiro 2009.
  34. ^ Stallings and Bennett (2003), p. 192
  35. ^ McCarver, Tim; Peary, Danny (2013). Tim McCarver's Baseball for Brain Surgeons and Other Fans: Understanding and Interpreting the Game So You Can Watch It Like a Pro. Casa aleatória. pp. 71, 272–273. ISBN 9780307831774.
  36. ^ "Balk". Major League Baseball. Recuperado 23 de abril 2018.
  37. ^ Stallings and Bennett (2003), pp. 126–132.
  38. ^ uma b Stallings and Bennett (2003), p. 45
  39. ^ Stallings and Bennett (2003), pp. 5, 46–47.
  40. ^ Stallings and Bennett (2003), pp. 42–43, 47–48.
  41. ^ Stallings and Bennett (2003), p. 186.
  42. ^ uma b Block (2005), pp. 86, 87, 111–113, 118–121, 135–138, 144, 160; Rader (2008), p. 7
  43. ^ "Rounders (jogo inglês)". Encyclopædia Britannica. Recuperado 23 de outubro 2018.
  44. ^ Cohen, Claire (February 2, 2015). "Salve rounders! É o único esporte para quem odeia esporte". O telégrafo. Recuperado 23 de outubro 2018.
  45. ^ Block (2005), pp. 139, 140, 151, 164, 178, 179, et seq.; Hellier, Cathy. "Mr. Newbery's Little Pretty Pocket-Book". Colonial Williamsburg Foundation. Recuperado 12 de abril 2008. Vejo Edição Wikisource de Um pequeno livro de bolso.
  46. ^ "Por que o beisebol não é mais popular no Reino Unido?". BBC Notícias. 26 de julho de 2013. Recuperado 26 de julho 2013.
  47. ^ Block (2005), pp. 58, 160, 300, 307, 310; Miller, Doug (2 de agosto de 2005). "Pittsfield: pequena cidade, grande cidade do beisebol". Liga Principal de Beisebol. Arquivado de o original em 21 de março de 2006. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  48. ^ Block (2005), pp. 4–5, 11–15, 25, 33, 59–61, et. seq.
  49. ^ Giddens, David (15 de junho de 2017). "Como o Canadá inventou o futebol americano, beisebol, basquete e hóquei". Canadian Broadcasting Corporation. Recuperado 4 de junho, 2019.
  50. ^ Sullivan (1997), p. 292.
  51. ^ Kittel, Jeffrey. "Evolução ou revolução? Uma análise regra por regra das regras de Knickerbocker de 1845". Recuperado 9 de maio, 2016.
  52. ^ Sullivan (1997), pp. 32, 80, 95.
  53. ^ Tygiel (2000), pp. 8–14; Rader (2008), pp. 71-72.
  54. ^ Rader (2008), pp. 9, 10.
  55. ^ Tygiel (2000), p. 6
  56. ^ Rader (2008), p. 27; Sullivan (1997), pp. 68, 69.
  57. ^ Sullivan (1997), pp. 83, 130, 243.
  58. ^ Sullivan (1997), p. 115
  59. ^ Heaphy, Leslie, "Women Playing Hardball", em Beisebol e filosofia: pensando fora da caixa de batedor, ed. Eric Bronson (Open Court, 2004), pp. 246–256: p. 247.
  60. ^ Rader (2008), p. 71
  61. ^ Sullivan (1997), pp. 243–246.
  62. ^ Rader (2008), p. 110; Zimbalist (2006), p. 22. Veja "Acordo Nacional para o Governo de Clubes Profissionais de Bola de Base". roadsidephotos.sabr.org. Recuperado 29 de janeiro 2009.
  63. ^ Sullivan (1997), pp. 13-16.
  64. ^ Powers (2003), pp. 39, 47, 48.
  65. ^ Burgos (2007), pp. 117, 118.
  66. ^ Sullivan (1997), p. 214.
  67. ^ Zoss (2004), p. 90
  68. ^ Zoss (2004), p. 192
  69. ^ Burk (2001), pp. 34–37.
  70. ^ "História da Liga Infantil". Little League. Arquivado de o original em 14 de maio de 2007. Recuperado 26 de junho 2007.
  71. ^ Lesko, Jeneane (2005). "História da Liga". Associação de jogadores da liga profissional de beisebol feminino americana. Arquivado de o original em 24 de julho de 2011. Recuperado 29 de janeiro 2009.
  72. ^ Burgos (2007), p. 158.
  73. ^ Burgos (2007), pp. 180, 191.
  74. ^ uma b Powers (2003), p. 111
  75. ^ "Beisebol: White Sox e os fãs falam a mesma língua, com sotaque espanhol". O jornal New York Times. 26 de outubro de 2005. Recuperado 4 de fevereiro, 2009.
  76. ^ Powers (2003), pp. 178, 180, 245.
  77. ^ Powers (2003), pp. 184–187, 191, 192, 280–282.
  78. ^ Simmons, Rob, "The Demand for Spectator Sports", em Manual de Economia do Esporte, ed. Wladimir Andreff e Stefan Szymanski (Edward Elgar, 2006), pp. 77-89.
  79. ^ Koppett (2004), pp. 376, 511.
  80. ^ Koppett (2004), p. 481.
  81. ^ Koppett (2004), p. 489.
  82. ^ Rader (2008), pp. 254, 271; Zimbalist (2007), pp. 195, 196; Verducci, Tom (29 de maio de 2012). "Para trapacear ou não trapacear". Esportes ilustrados. Recuperado 30 de maio 2012.
  83. ^ uma b "Comparecimento na temporada regular da MLB pouco antes do recorde do ano passado". Street & Smith's SportsBusiness Daily. Recuperado 29 de janeiro 2009.
  84. ^ "História da Liga Secundária de Beisebol". Liga Menor de Beisebol. Arquivado de o original em 20 de janeiro de 2009. Recuperado 29 de janeiro 2009.
  85. ^ Bjarkman (2004), p. 73; Burk (2001), p. 58
  86. ^ "Canadá: participação no beisebol, popularidade crescendo em todo o país". Confederação Mundial de Softball de Beisebol. 12 de outubro de 2016. Recuperado 2 de abril, 2018.
  87. ^ Flaherty, David H .; Manning, Frank E., eds. (1993). The Beaver Bites Back ?: Cultura Popular Americana no Canadá. McGill-Queen's University Press. pp. 157–158. ISBN 9780773511200.
  88. ^ Riess, Steven A. (2015). Esportes na América desde os tempos coloniais até o século XXI: uma enciclopédia. Routledge. pp. 172, 656–657. ISBN 9781317459477.
  89. ^ Terry (1909), pág. 506.
  90. ^ Bjarkman (2004), pp. Xxiv.
  91. ^ Bjarkman (2004), pp. 356, 123, 137, xxiv, 11, 233; Gmelch (2006), p. 296.
  92. ^ McNeil (2000), p. 113
  93. ^ "Introdução ao jogo". Pesis.fi. Pesäpalloliitto. Recuperado 16 de outubro 2015.
  94. ^ Bjarkman (2004), pp. Xxiv, xxv; Burgos (2007), p. 46
  95. ^ Bjarkman (2004), pp. 362, 368; Gmelch (2006), pp. 100, 75, 59.
  96. ^ Bjarkman (2004), pp. Xv.
  97. ^ Mayo, Jonathan (28 de janeiro de 2009). "Perspectiva: Beisebol na Terra Santa". Liga Menor de Beisebol. Arquivado do original em 31 de janeiro de 2009. Recuperado 5 de fevereiro, 2009.
  98. ^ "Federação Internacional de Beisebol (Confederações / Federações Membros)". Federação Internacional de Beisebol. Arquivado do original em 6 de março de 2009. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  99. ^ Seymour Mills, Dorothy (2009). Perseguindo o beisebol: nossa obsessão com sua história, números, pessoas e lugares. McFarland & Company. pp. 169-170. ISBN 9780786455881.
  100. ^ "Menos esportes para as Olimpíadas de Londres". BBC Notícias. 8 de julho de 2005. Recuperado 16 de setembro 2008.
  101. ^ "A votação secreta elimina o beisebol, o softball". ESPN. Associated Press. 8 de julho de 2005. Recuperado 2 de junho, 2019.
  102. ^ Fetters, Ashley (20 de julho de 2012). "Esportes perdidos dos Jogos Olímpicos de Verão". O Atlantico. Recuperado 2 de junho, 2019.
  103. ^ Isidore, Chris (11 de março de 2006). "O clássico da primavera?". CNNMoney.com. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  104. ^ McNeal, Stan (3 de março de 2006). "Seu guia para o clássico mundial de beisebol de 2006". Notícias esportivas. CBS Interactive. Arquivado de o original em 1 de julho de 2015. Recuperado 3 de fevereiro, 2009 - através da Farol alto.
  105. ^ "Congresso IBAF aprova novo formato de torneios internacionais" (Comunicado de imprensa). Federação Internacional de Beisebol. 3 de dezembro de 2011. Recuperado 20 de janeiro 2013.
  106. ^ Guttmann (2007), p. 140
  107. ^ Mandelbaum (2005), pp. 55–57.
  108. ^ Morris (2007), p. XI.
  109. ^ Brancazio, Peter J. (22-29 de dezembro de 1983). "O golpe mais difícil de todos". New Scientist. pp. 880-883. Recuperado 6 de agosto, 2017.
  110. ^ Mount, Nicholas James, "Team Sports", em Enciclopédia do Tempo, ed. Samuel L. Macey (Taylor & Francis, 1994), pp. 588–590: p. 590.
  111. ^ "A partida de teste que continuou e continuou. Sem um vencedor, mas com significado | Andy Bull". o guardião. 22 de dezembro de 2015. Recuperado 6 de setembro, 2020.
  112. ^ Calma, Rob, O que é um Googly ?: Explicação dos mistérios do críquete (Anova, 2005), p. 134
  113. ^ uma b c Bodley, Hal (26 de fevereiro de 2004). "O beisebol quer apenas mais alguns minutos". EUA hoje. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  114. ^ uma b Greenfield, Jeff (13 de julho de 1998). "Beisebol da meia-noite". Tempo. Recuperado 3 de fevereiro, 2009.
  115. ^ Berg, Ted (30 de setembro de 2014). "Por que os jogos de beisebol estão ficando cada vez mais longos?". EUA hoje. Recuperado 27 de dezembro 2014.
  116. ^ "Equipes de beisebol profissional do Japão iniciam um projeto ecológico para reduzir o consumo de energia em 6%". Japão para a sustentabilidade. 13 de julho de 2008. Recuperado 18 de fevereiro, 2009.
  117. ^ Crasnick, Jerry (17 de outubro de 2017). "Times da liga principal jogando jogos de maratona em outubro". ESPN. Recuperado 18 de outubro 2017.
  118. ^ Clarke e Dawson (1915), p. 48
  119. ^ "10 jogadores de críquete que bateram em todos os cinco dias de uma partida de teste". cricket.yahoo.net. Recuperado 6 de setembro, 2020.
  120. ^ Morton, Richard, "Baseball in England", Revista Badminton, Agosto de 1896, pp. 157–158: "A pontuação é uma das características mais interessantes nesta nova importação da América [beisebol]. Cada detalhe do jogo é registrado e os erros de um homem são tabulados, bem como seus sucessos. . Uma linha em um placar de críquete pode ser: 'Lockwood, apanhado Stoddart, boliche J. T. Hearne; 30 .'... [T] aqui está tanta coisa que ficou de fora! Não há menção do fato de que O'Brien perdeu Lockwood antes de marcar, e que outra pessoa falhou em arriscar quando seu placar estava dez. Esses são itens que vão fazer história no críquete; mas não há registro deles na análise ... O homem que pega uma bola é considerado digno de menção, mas o homem que amortece uma não sofre com a publicidade. "
  121. ^ "Regras Oficiais / 1.00 - Objetivos do Jogo. (Regra 1.04a)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009.
  122. ^ Nightengale, Bob (20 de agosto de 2008). "Nº 8: Fora do campo esquerdo nas caixas de Crawford de Houston". EUA hoje. Recuperado 17 de fevereiro 2009.
  123. ^ Powers (2003), p. 85
  124. ^ Powers (2003), p. 219.
  125. ^ Puhalla, Krans e Goatley (2003), p. 198; Shaikin, Bill (27 de maio de 2006). "Guerrero se torna o senhor por dentro". Los Angeles Times. Recuperado 17 de fevereiro 2009.
  126. ^ "Regras Oficiais / 1.00 - Objetivos do Jogo. (Regra 1.04)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 5 de fevereiro de 2009. Recuperado 2 de fevereiro, 2009.
  127. ^ Shaikin, Bill (8 de outubro de 2002). "Rotina No Fly Ball in Dome". Los Angeles Times. Recuperado 17 de fevereiro 2009.
  128. ^ Puhalla, Krans e Goatley (2003), p. 207.
  129. ^ Keri (2007), pp. 295-301.
  130. ^ Gilbert, Steve (30 de setembro de 2008). "Os ventos de Wrigley não abalam Lowe". Liga Principal de Beisebol. Arquivado de o original em 1 de dezembro de 2008. Recuperado 17 de fevereiro 2009.
  131. ^ Sheinin, Dave (26 de março de 2008). "Após a mudança, um processo de quebra". The Washington Post. Recuperado 17 de fevereiro 2009. Veja também Powers (2003), p. 85
  132. ^ uma b Tygiel (2000), p. 16
  133. ^ Schwarz (2004), p. 50
  134. ^ "Regras oficiais / 10.00 - O apontador oficial" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 24 de fevereiro de 2009. Recuperado 22 de fevereiro 2009.
  135. ^ "Regras oficiais / 10.00 - O apontador oficial (Regras 10.02a, 10.04, 10.21b)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 24 de fevereiro de 2009. Recuperado 22 de fevereiro 2009.
  136. ^ "Regras oficiais / 10.00 - O apontador oficial (Regra 10.07)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 24 de fevereiro de 2009. Recuperado 22 de fevereiro 2009.
  137. ^ "Regras oficiais / 10.00 - O apontador oficial (Regras 10.15, 10.17, 10.19, 10.21a, 10.21e)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 24 de fevereiro de 2009. Recuperado 22 de fevereiro 2009.
  138. ^ "Regras oficiais / 10.00 - O apontador oficial (Regras 10.09, 10.10, 10.12, 10.21d)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 24 de fevereiro de 2009. Recuperado 22 de fevereiro 2009.
  139. ^ Ver, por exemplo, Albert, Jim e Jay Bennett, "Situational Effects", cap. 4 in Bola curva: beisebol, estatísticas e o papel do azar no jogo, 2d ed. (Springer, 2003), pp. 71-110.
  140. ^ Gray, Scott, A mente de Bill James: como um estranho mudou no beisebol (Doubleday, 2006), p. ix.
  141. ^ Guzzo (2007), pp. 20–21, 67; Schwarz (2004), p. 233; Lewis (2003), p. 127
  142. ^ "Regras oficiais / 10.00 - O apontador oficial (Regra 10.21f)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 24 de fevereiro de 2009. Recuperado 22 de fevereiro 2009.
  143. ^ "Regras oficiais / 10.00 - O apontador oficial (Regra 10.21c)" (PDF). Liga Principal de Beisebol. Arquivado (PDF) do original em 24 de fevereiro de 2009. Recuperado 22 de fevereiro 2009.
  144. ^ Guzzo (2007), pp. 22, 67, 140; Schwarz (2004), p. 233.
  145. ^ Guzzo (2007), pp. 140–141.
  146. ^ Cohen, Morris Raphael, "Baseball as a National Religion" (1919), em Cohen, A fé de um liberal (Transaction, 1993 [1946]), pp. 334-336: p. 334.
  147. ^ Stark, Jayson (8 de fevereiro de 2009). "A-Rod Has Destroyed Game's History". ESPN.com. Arquivado do original em 10 de fevereiro de 2009. Recuperado 8 de fevereiro, 2009.
  148. ^ Bjarkman (2004), p. xix.
  149. ^ Bjarkman (2004), pp. 159-165.
  150. ^ "As listas do dia de abertura apresentam 230 jogadores nascidos fora dos EUA" Major League Baseball. Recuperado 24 de abril 2018.
  151. ^ Bjarkman (2004), p. 487.
  152. ^ Castillo, Jorge (16 de janeiro de 2012). "Porto Rico rastreia a queda do beisebol até o draft". O jornal New York Times. Recuperado 25 de janeiro 2012.
  153. ^ Hernandez, Dylan (21 de março de 2017). "World Baseball Classic mantém o esporte relevante no Japão". Los Angeles Times. Recuperado 26 de abril 2018.
  154. ^ Riess (1991), pp. 69-71.
  155. ^ Riess (1991), pp. 247–248.
  156. ^ Jones, Jeffrey M. (4 de abril de 2006). "Quase metade dos americanos são fãs de beisebol". Gallup. Recuperado 31 de maio, 2018.
  157. ^ Kercheval, Nancy (1 de outubro de 2008). "Receita da liga principal de beisebol atinge recorde, público cai". Bloomberg.com. Arquivado de o original em 29 de junho de 2011. Recuperado 8 de fevereiro, 2009. Battista, Judy (9 de dezembro de 2008). "Feeling Pinch, N.F.L. Will Cut cerca de 150 Jobs". O jornal New York Times. Recuperado 8 de fevereiro, 2009. Haudricourt, Tom (20 de outubro de 2007). "Bases carregadas". Milwaukee Journal Sentinel. Arquivado de o original em 6 de julho de 2009. Recuperado 8 de fevereiro, 2009.
  158. ^ "Relatório: as receitas da MLB excedem US $ 10 bilhões pela primeira vez". EUA hoje. 22 de novembro de 2017. Recuperado 27 de março 2018.
  159. ^ Bonesteel, Matt (10 de janeiro de 2018). "Apesar de todas as más notícias, a pesquisa mostra que o futebol ainda é o esporte favorito da América por uma ampla margem". The Washington Post. Recuperado 27 de março 2018.
  160. ^ "O futebol profissional continua dominando o beisebol como o esporte favorito da América". Business Wire. AllBusiness. 27 de janeiro de 2009. Arquivado em o original em 10 de janeiro de 2011. Recuperado 15 de setembro, 2010.
  161. ^ McGinty, Jo Craven (10 de abril de 2015). "Concurso de popularidade: Beisebol vs. Futebol". Jornal de Wall Street. Recuperado 18 de maio 2018.
  162. ^ Brown, Maury (25 de fevereiro de 2010). "MLB vê um recorde de $ 6,6 bilhões em receitas em 2009". Negócios de Beisebol. Arquivado de o original em 27 de outubro de 2010. Recuperado 17 de setembro 2010.
  163. ^ Jeff Passan (16 de abril de 2018). "10 graus: queda enorme de público da MLB devido ao mau tempo ou algo muito pior para o beisebol?". Yahoo Sports. Recuperado 16 de junho 2018.
  164. ^ "Participação na liga secundária chega a 42,5 milhões". Liga Menor de Beisebol. 9 de setembro de 2015. Recuperado 16 de junho 2018.
  165. ^ Hayes, Dade (14 de fevereiro de 2020). "Beisebol retorna como debate sobre o formato do playoff, escândalo de trapaça do Houston Astros levanta questões sobre o futuro da ESPN, direitos da Turner TV". Data limite. Recuperado 29 de outubro 2020.
  166. ^ Whiting, Robert (11 de abril de 2007). "A MLB está destruindo o passatempo nacional do Japão?". The Japan Times. Recuperado 8 de fevereiro, 2009.
  167. ^ González Echevarría (2001), pp. 76, 133, 278-279, 352.
  168. ^ uma b Weissert, Will (5 de março de 2009). "Sonhos de beisebol dos cubanos criam raízes em campos rochosos". EUA hoje. Associated Press. Recuperado 28 de abril 2009.
  169. ^ González Echevarría (2001), p. 366.
  170. ^ "Little League International General Media Guide 2018" (PDF). Little League Baseball. 2018. p. 3. Recuperado 31 de março, 2018.
  171. ^ Fisher, Mark (5 de abril de 2015). "O beisebol está lutando para fisgar as crianças - e corre o risco de perder fãs para outros esportes". The Washington Post. Recuperado 30 de abril 2018.
  172. ^ "História do Programa da Liga Babe Ruth". Babe Ruth League Online. Recuperado 10 de abril, 2018.
  173. ^ Frommer, Frederic J (6 de abril de 2009). "Beisebol adiciona mulheres à candidatura olímpica". EUA hoje. Associated Press. Recuperado 29 de abril 2009.
  174. ^ Bradford, Marcia (2008). "Oportunidades em expansão nos campos de futebol". Revista SportsEvents. Arquivado de o original em 9 de fevereiro de 2009. Recuperado 3 de maio, 2009.
  175. ^ "Probabilidade estimada de competir no atletismo universitário". National Collegiate Athletic Association. 2 de março de 2015. Recuperado 22 de abril 2018.
  176. ^ Bjarkman (2004), p. xxiv; Gmelch (2006), pp. 23, 53.
  177. ^ Ellsesser, Stephen (11 de agosto de 2006). "Torneio de verão é grande no Japão". Liga Principal de Beisebol. Arquivado de o original em 14 de outubro de 2009. Recuperado 28 de abril 2009.
  178. ^ "Cartão Honus Wagner é vendido pelo recorde de $ 2,8 milhões". ESPN. Associated Press. 6 de setembro de 2007. Recuperado 3 de maio, 2009.
  179. ^ Kte'pi (2009), p. 66
  180. ^ Rudel (2008), pp. 145-146.
  181. ^ Lam, Andrew (6 de julho de 2007). "O excesso de autoestima estraga seu filho". New America Media. Recuperado 2 de maio, 2009. "Happy 50th, Baseball Caps". BBC Notícias. 27 de abril de 2004. Recuperado 2 de maio, 2009.
  182. ^ "AFI 10 Top 10 - Top 10 Sports". American Film Institute. 17 de junho de 2008. Recuperado 2 de maio, 2009.
  183. ^ Zoss (2004), pp. 373–374.
  184. ^ "O Melhor do Século". Tempo. 26 de dezembro de 1999. Arquivado do original em 4 de maio de 2009. Recuperado 2 de maio, 2009.
  185. ^ Neyer, Rob (15 de junho de 2000). "'Bola Quatro 'Esportes Mudados e Livros ". ESPN.com. Recuperado 12 de maio 2009.
  186. ^ Zoss (2004), pp. 16-25.
  187. ^ Zoss (2004), pp. 27–31.
  188. ^ "Fantasy Sports Industry cresce para uma indústria de $ 800 milhões com 29,9 milhões de jogadores". PRWeb. 10 de julho de 2008. Recuperado 25 de outubro 2011.
  189. ^ Lewis (2003), pp. 86-88.

Fontes

Leitura adicional

  • Dickson, Paul. Dicionário de beisebol Dickson, 3d ed. (W. W. Norton, 2009). ISBN 0-393-06681-9
  • Fitts, Robert K. Relembrando o beisebol japonês: uma história oral do jogo (Southern Illinois University Press, 2005). ISBN 0-8093-2629-9
  • Gillette, Garye Pete Palmer (eds.). The ESPN Baseball Encyclopedia, 5ª ed. (Sterling, 2008). ISBN 1-4027-6051-5
  • Peterson, Robert. Apenas a bola era branca: uma história de jogadores negros lendários e equipes profissionais totalmente negras (Oxford University Press, 1992 [1970]). ISBN 0-19-507637-0
  • Reaves, Joseph A. Participando de um jogo: uma história do beisebol na Ásia (Bison, 2004). ISBN 0-8032-3943-2
  • Ward, Geoffrey C. e Ken Burns. Beisebol: uma história ilustrada (Alfred A. Knopf, 1996). ISBN 0-679-40459-7

links externos

Pin
Send
Share
Send